Buscar
  • Rafael Pereira

Cuide-se! Medidas simples para adaptar sua casa e ambiente de trabalho durante a pandemia.

Atualizado: há 7 dias


Desde Janeiro, presenciamos o avanço da epidemia do COVID-19 pelo mundo. Em poucos meses, a doença se espalhou em uma rapidez assustadora, devido ao seu alto contágio, provocando o colapso de sistemas de saúde em vários países e causando estragos em proporções gigantescas em suas estruturas socioeconômicas.


Muitas recomendações são emitidas periodicamente pela OMS (Organização Mundial da Saúde), conforme os cientistas descobrem mais sobre o vírus e desenvolvem formas de erradicá-lo. Nós, enquanto sociedade, precisamos nos reinventar e desenvolver novos hábitos de higiene e comportamento social para lidar durante esse período caótico. A Arquitetura, enquanto ciência que estuda as relações do ser humano com o meio físico, tem a missão de nos guiar nessa jornada adaptativa e promover mudanças para redução de danos causados pela epidemia.


Pensando nisso, o Grupo de Estudos em Arquitetura e Engenharia Hospitalar da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia (GEA-hosp), juntamente com a Associação Brasileira para o Desenvolvimento do Edifício Hospitalar (ABDEH), publicaram um manual para reduzir as chances de contaminação pelo COVID-19.



Em tempos de isolamento social, nossa casa se tornou o espaço de maior permanência durante os dias. Devemos convergir nossos esforços para mantê-la higienizada e sempre em ordem.


(Fonte/Reprodução: Estadão Educação)


A publicação traz os cuidados necessários, de forma didática e ilustrada, a partir de dois principais tópicos: recomendações para residência com morador com diagnóstico positivo para o COVID-19 e recomendações para residência com morador com diagnóstico negativo para o COVID-19. Abaixo, separamos cinco principais cuidados do manual, que pode ser acessado em sua versão completa clicando aqui.


1. Deve-se entender que todo espaço externo da residência é contaminado. Por isso, é necessário que exista uma área de transição para que quaisquer objetos ou peças que venham de fora permaneçam nele. Outros utensílios, como porta sapatos, objetos e itens como álcool em gel ou líquido (70%), devem compor o espaço de transição para higienização pessoal.


(Ilustração/Reprodução: Cartilha GEA-hosp)


2. Para residência onde existam pessoas contaminadas pelo COVID-19, deve-se reservar um ambiente específico para permanência dessa pessoa. Uma área de transição, semelhante ao item 1, deve existir na entrada do aposento. É importante que o espaço tenha contenha apenas o mobiliário indispensável, para reduzir o número de superfícies de contato, e permaneça sempre com as portas fechadas, porém as janelas abertas, para garantir a circulação de ar.



(Ilustração/Reprodução: Cartilha GEA-hosp)


Para residências de apenas um cômodo, é necessário delimitar uma área restrita para a pessoa infectada, existindo uma área de transição entre ela e o restante do cômodo de, no mínimo, um metro. A área escolhida deve ser próxima de janelas que permitam a circulação de ar e a iluminação natural. Todo e qualquer objeto dentro da área restrita deve ser considerado contaminado.



(Ilustração/Reprodução: Cartilha GEA-hosp)


3. Para áreas íntimas, como banheiros, é preferível que a(s) pessoa(s) contaminada(s) façam uso exclusivo desse espaço. Para residências com apenas um banheiro, é importante a existência de uma zona de transição do lado de fora da porta, como especificada no item 1, bem como um cartaz de recomendação do uso consciente do espaço. A pessoa infectada que utilizar o banheiro, deve levar seu material de higiene pessoal (toalhas, papel, escovas de dentes...) ao entrar no banheiro, e levá-las consigo após o uso. Se estiver em condições, a pessoa deve realizar a higienização do espaço depois de utilizá-lo.



(Ilustração/Reprodução: Cartilha GEA-hosp)


4. Ao entrar em casa, sempre se dirigir imediatamente para o banheiro para tomar banho e sempre trocar de roupa. As áreas contaminadas devem ter uma higienização mais rigorosa, incluindo maçanetas e demais objetos de contato frequente. É importante ressaltar o não compartilhamento de objetos entre pessoas contaminadas e não contaminadas, incluindo mobiliário como cadeiras, sofás, e etc.


(Ilustração/Reprodução: Francisco Martins/SAÚDE é Vital)



5. Todo o lixo produzido em residência que possuam pessoas infectadas pelo COVID-19 deve ser armazenado em mais de um saco plástico, para garantir que os responsáveis pelo seu descarte não sejam contaminadas. Se possível, deixe sinalizado no saco sobre a situação do lixo para assegurar um manuseio consciente desses resíduos.


E o mais importante, fique em casa! Não existe cura para o vírus. A melhor forma de combatê-lo é através do isolamento social.


Caso seja preciso sair, lembre-se de usar máscaras, evitar aglomerações e manter a distância mínima de aproximadamente um metro de distância de outras pessoas.


(Ilustração/Reprodução: Instagram @prefsalvador)





Há ainda uma série de medidas e cuidados que podem ser implementados para além das residências, como comércio e demais ambientes de trabalho, uma vez que existem muitos setores da economia que não puderam ter suas atividades interrompidas por serem considerados serviços essenciais.


Com a ajuda de nossos professores e orientadores parceiros, desenvolvemos e aperfeiçoamos formas de adaptar micro e médios empreendimentos para durante e após a epidemia.

As medidas envolvem mudanças de layout dos ambientes, adoção de rotinas e formas de garantir aos clientes que o trabalho realizado nestes ambientes sigam as recomendações feitas pelos órgãos competentes. A Projecta dispôs recentemente o serviço Consultoria Arquitetônica para ajudar pequenos e médios empreendedores a manter seus negócios durante e após a crise, respeitando os critérios de saúde e higiene estabelecidos pela OMS.


Através de reuniões por telefone ou online, realizamos uma análise cuidadosa para entender as dificuldades de adaptação do empreendedor e propor soluções técnicas de como superá-las. A consultoria é personalizada para cada tipo de estabelecimento comercial (restaurantes, salões de beleza, etc) e se adequa a realidade de cada espaço e necessidades do cliente.



Entre em contato com a gente e agende uma reunião totalmente gratuita para descobrirmos a melhor forma de ajudá-lo.



97 visualizações

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo UFBA

Rua Caetano Moura, 121, Federação, Salvador, Bahia

Segunda à Sexta-Feira

08:50h às 12:30h e 13:00h às 16:40h

(71) 3283-5891/(71) 99395-5861(Whatsapp)

© 2020 by Projecta Arquitetura e Urbanismo UFBA.